Holambra além da Expoflora

Minha relação com Holambra começou em 2012, pois meu primeiro emprego foi lá. O emprego dos meus sonhos: Professora de ginástica rítmica.

Foi nessa época que tive muito contato com descendentes de imigrantes e comecei a aprender mais sobre a cultura holandesa.

Minhas aluninhas da GR <3

Sempre que podia, eu dava uma escapada para a Zoet en Zout, a Confeitaria do Lago, e me deliciava com os mais variados doces (mentira, porque eu sempre comia o mesmo, mas gostava de olhar os outros).

Aqui vai minha primeira dica de Holambra: a confeitaria é maravilhosa, e tem uma vista incrível do lago. E pra quem vai à Expoflora, a confeitaria é bem perto da portaria de entrada da exposição.

Foi nesse período que eu comecei a fazer jornalismo e Holambra me abriu as portas novamente. Meu primeiro estágio na área foi na Assessoria de Comunicação da Prefeitura.

Meu conhecimento da cidade nessa época se limitava ao clube em que eu trabalhava. Então, logo no começo do estágio ganhei do meu chefe um mapa e uma ordem: Fotografar as obras públicas em andamento.

E la fui eu, por todos os cantos da cidade, fotografando e conhecendo. E me encantando.

Posso dizer que nesse período conheci mais da cidade que muitos moradores. O que não é difícil de se fazer em uma cidade de cerca de 12 mil habitantes.

Eu, que sou filha do interior, nascida em Campinas e criada em Serra Negra, me sentia quase uma cosmopolita por lá.

Tenha em mente que Holambra AMA receber turistas, o ano todo. Mas o ritmo da cidade é BEM diferente. Aquele estresse da cidade grande, pode deixar em casa, porque ele não vai te ajudar em nada por lá.

Holambra está entre os 29 municípios do Estado de São Paulo a ser considerado uma Estância Turística e em 2011 recebeu oficialmente o título de Capital Nacional das Flores.

Mas vamos voltar um pouco no tempo? Você sabia que a intenção dos imigrantes, quando chegaram em Holambra não era o cultivo de flores?

Depois da Segunda Guerra a Holanda ficou devastada, e por isso o governo criou um plano de incentivo de imigração. O Brasil era o único país que aceitava imigração de grupos, e foi assim que os primeiros imigrantes chegaram em Holambra. Desde o principio eles tinham a ideia de fixar nova residencia no Brasil em definitivo. Junto com eles, chegaram as primeiras vacas. A ideia, portanto, era viver da pecuária. Mas as flores foram mais fortes.

Entrada do Museu pela Expoflora

Esse ano a imigração holandesa completa 70 anos. E com a tragédia do Museu Nacional no Rio, me fez perceber que eu sou uma das pessoas que valoriza muito mais a história quando estou fora, que no meu país. E gente, nossa história é tão importante quanto!

O Museu da Imigração fica no Clube Fazenda Ribeirão, onde a cidade começou. Durante a Expoflora as pessoas tem livre acesso a ele. Mas ele abre o ano todo, aos fins de semana.

Parte interna do Museu com roupas típicas no primeiro plano e linha cronológica ao fundo
Bandeiras de Holambra, São Paulo, Holanda e Brasil

Acho difícil falar de Holambra nesse período e não falar de Expoflora. É a maior exposição de flores da América Latina e atrai cerca de 300 mil turistas para a cidade.

Apesar da minha ligação com a cidade essa foi minha segunda vez na Expoflora (mas minha mãe jura que fui uma vez criança, só que né, se eu não lembro eu não fiz).

Chegando na Expoflora

  

É um passeio gostoso, mas sempre cheio. Se é sua primeira vez no evento vale encarar as filas pelas comidas mais tradicionais. Principalmente o stroopwafel, uma bolacha recheada com caramelo (resumi bem porcamente, só comendo pra entender).

Stroopwafel coberto com chocolate

Mas, se essa não é sua primeira vez e você não está louco para provar comidas típicas, minha sugestão é o Restaurante do Clube. Ele fica no caminho para o Museu, tem um espaço amplo, por isso é difícil lotar, e a comida é boa e relativamente barata.

Em todo o recinto da Expoflora é possível encontrar lojinhas com os mais diversos produtos. E é recomendado (por nós mesmas) a comprar e visitar o shopping das flores no final. Porque é impossível entrar e não sair de lá com nada!

As danças holandesas acontecem durante todo o evento em horários determinados. Assim, os grupos se revezam entre os palcos com coreografias diferentes. Se você conseguir assistir mais que um, com certeza não verá a mesma dança.

Dança Holandesa

A sempre tradicional mostra de paisagismo enche os olhos dos visitantes. Nós três ficamos babando e sonhando com vários daqueles ambientes.

   

Mas pra mim, e acho que pra maioria das pessoas, o ponto alto do evento é a chuva de pétalas. Ela acontece sempre às 16:30, após a parada das flores. A tradição diz que se uma pétala cair na sua mão, você terá um desejo realizado. Mas pra conseguir ficar bem embaixo da chuva de pétalas é bom chegar cedo. Antes das 16 horas as pessoas já começam a se aglomerar em frente ao local.

No aguardo da realização dos nossos desejos =)

A Expoflora vai consumir um dia inteiro de passeio, fácil.

Mas, se você curte sossego, e lugares mais tranquilos, evite Holambra do final de agosto ao final de setembro. Mas escolha qualquer outro final de semana, que você também poderá aproveitas as comidas típicas. Holambra tem um turismo gastronômico sensacional. Os principais restaurantes ficam no Boulevard, logo na entrada da cidade, na Rota dos Imigrantes.

Os passeios para os campos de flores também acontecem o ano todo, basta saber como está o plantio antes de ir, se florido ou não!

E claro, não deixe de passar no Moinho Povos Unidos. Ele é o mais alto da América Latina, mas não pode ser considerado o maior, já que o tamanho de um moinho é medido pelas suas pás!

Moinho Povos Unidos

Espero que vocês se apaixonem por Holambra como eu!

Tot ziens! (até breve)

Isabella de Vito

Isabella de Vito

Jornalista e profissional de Educação Física. Ama viajar e acompanhar o time de futebol em todos os jogos.

More Posts