Liberdade – o que fazer no bairro oriental de São Paulo

A Liberdade é um dos bairros mais turísticos de São Paulo, e é conhecido como a maior  comunidade japonesa na cidade. Ela também já é considerada uma das maiores do mundo fora do Japão.  É desse lugar interessantíssimo que iremos falar nesse novo post do Walking Around SP.

LIBERDADE – BREVE HISTÓRICO E COMO CHEGAR

A imigração dos japoneses para o Brasil começou em 1908. Hoje calcula-se que há mais de 400 mil japoneses e descendentes morando na capital paulista.

Mas não é só da cultura nipônica que vive a região. Chineses, coreanos e outras nacionalidades asiáticas também compõem o mosaico cultural do bairro.

Diante disso, vamos conferir o que há de mais interessante para se fazer por lá. Se liga no Roteiro 😉

Você pode começar seu passeio do ponto de término do passeio pela Avenida Paulista, conhecendo o Centro Cultural São Paulo. Dali, em uma breve caminhada você ja estará na Liberdade.

Ou você pode chegar de metrô.  Esse roteiro contempla três estações da linha 1-azul: São Joaquim,  Japão-Liberdade e Sé. Já para explorar,  o ideal é andar a pé mesmo.

Metrô São Joaquim
Metrô São Joaquim

O QUE FAZER NA LIBERDADE?

Começaremos esse roteiro pelo ponto mais próximo ao metrô São Joaquim,  mas você pode escolher a ordem que preferir.

Rua Taguá

Descendo a Rua São Joaquim,  a primeira rua a sua esquerda é a Rua Taguá,  onde há variedade de botecos com litrão de cerveja barato. Geralmente fica cheia durante a semana, principalmente à noite,  quando os bêbados estudantes da FMU dão o ar de sua graça.

A rua também tem uma infinidade de pequenas lanchonetes, pensões,  e serviços de xerox. E é bem bonitinha, com casinhas coloridas.

Rua Taguá
Rua Taguá

Templo Budista Busshinji

Localizado no número 285 da Rua São Joaquim,  está o Templo Budista Busshinji,  sede oficial da Escola Soto Zen de Budismo na América do Sul. Seus membros são monges, leigos ordenados, praticantes e congregados que dedicam-se à prática dos ensinamentos de Buda. Existem horários específicos para a prática de meditação,  inclusive para iniciantes.  Mais informações e horários no site do Templo.

Templo Budista Busshinji
Templo Budista Busshinji

Museu Histórico da Imigração Japonesa

Descendo a Rua São Joaquim, na esquina com a Rua Galvão Bueno, no número 381, está o Museu Histórico da Imigração Japonesa. Ele fica localizado nos últimos andares do prédio do Bunkyo,  Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa.

Lá está uma maquete do navio Kasato-Maru, que trouxe os primeiros imigrantes até o Porto de Santos em 1908. Além diss, possui mais de 97 mil peças históricas no acervo, incluindo fotos, filmes e vídeos.

O Museu foi inaugurado em junho de 1978 para a celebração do 70º aniversário da imigração japonesa no Brasil.

Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa - Bunkyo
Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo

Funciona de terça a domingo das 13:30 às 17:00. A entrada custa R$ 12,00  (R$ 6,00 meia entrada).

Rua Tomás Gonzaga

Saindo do Museu e pegando a Rua Galvão Bueno, à esquerda, uma das ruas que cruzam é a Rua Tomás Gonzaga, referência nos melhores restaurantes japoneses e karaokês da região.

Eu, como não como comida japonesa, não sei indicar precisamente um restaurante dali, mas confia, a rua é bem famosa nesse quesito, por aqui por SP. 😉

Rua Galvão Bueno

É aquela famosa rua enfeitada pelo Tori, o grande pórtico vermelho, e pelas lanternas japonesas.

Nessa rua está o Jardim Oriental, onde há diversas variedades de plantas, flores e um lago com carpas, peixes que significam boa sorte na cultura oriental. O Jardim fica aberto todos os dias das 10:00 às 16:00.

Jardim Oriental
Jardim Oriental

Além disso, na rua existe uma grande variedade de lojas, principalmente de cosméticos e beleza, e mercadinhos com produtos orientais.

Rua dos Estudantes e Capela dos Aflitos

No final da Galvão Bueno,  virando à direita,  você vai estar na Rua dos Estudantes, local que abrigou as antigas pensões dos estudantes do Largo São Francisco,  e hoje conta com lojas e lanchonetes diversas.

Rua dos Estudantes
Rua dos Estudantes

Na entrada à direita, está o Beco dos Aflitos, onde se encontra a Capela dos Aflitos. Havia ali antigamente um cemitério, que era reservado para o sepultamento de indigentes, de alguns escravos, e para os supliciados, os condenados à morte na forca.  A capela foi construída no centro dele, ainda hoje permanece no mesmo local. Já o cemitério foi fechado, com a abertura do Cemitério da Consolação.

Capela dos Aflitos
Capela dos Aflitos

A capela é bem simplezinha e pequena, e um tanto aflitiva mesmo. Ainda hoje é um centro de romaria.

Praça da Liberdade – Japão

O ponto principal deste roteiro é sem duvidas a Praça da Liberdade. Ali acontece aos fins de semana a famosa feirinha oriental, que vende itens diversos, desde souvenir à comida.

Praça da Liberdade-Japão
Praça da Liberdade-Japão

A praça, que adotou “Japão” ao seu nome esse ano, em virtude da comemoração do centenário da Imigração Japonesa, também é onde acontece as mais variadas comemorações da comunidade oriental ao longo do ano, como:

Ano Novo Chinês

Ano Novo Chinês, que é lunissolar, ou seja, leva em consideração tanto as fases da lua como a posição do sol. O Ano Novo Chinês começa na noite da lua nova mais próxima do dia em que o sol passa pelo décimo quinto grau de Aquário, por isso cada ano começa em um dia diferente.

Hanamatsuri

Hanamatsuri, festival das flores, que celebra a data de nascimento do Buda Shakyamuni, em abril. Segundo a tradição,  quando ele nasceu, sua mãe estava fazendo uma viagem e pediu para descansar em determinado momento. Quando se deitou, viu uma flor que despontava em um ramo. Neste instante suas contrações começaram, e assim veio ao mundo o Buda, com uma chuva de pétalas e néctar que caiu naquele momento.

Na celebração,  a imagem do Buda fica em um altar decorado com flores, e as pessoas dao banho nele com pétalas e um chá doce.

Tanabata-Matsuri

Tanabata-Matsuri, festival das estrelas, que acontece na sétima noite do sétimo mês do ano. De acordo com a lenda, uma jovem princesa que vivia próximo da Via Láctea,  se apaixonou por um pastor de gados, e, muito envolvidos com o romance, deixaram de lado todas as suas tarefas e obrigações.

O pai da princesa, indignado com a falta de responsabilidade do casal, decidiu separá-los, fazendo com que fossem morar em lados opostos da Via Láctea.  Como sua filha sofreu muito com a separação,  o pai permitiu que o casal se encontrasse uma vez por ano, no sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar, desde que ambos atendessem todos os pedidos vindos da Terra nesta data.

Festival das estrelas
Festival das estrelas

Na celebração,  a Liberdade fica inteira decorada com grandes ramos de bambu, com enfeitesnque representam as estrelas, a acontecem apresentações e shows temáticos,  e você pode fazer seus pedidos ao casal nos tanzaku, pequenos pedaços de papel colorido,  que são amarrados aos bambus. Cada cor de papel representa uma área de desejos, sendo eles branco – paz, amarelo – dinheiro, verde – esperança,  vermelho – paixão,  rosa – amor, e azul – saúde e proteção.

Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

Exatamente ao lado da praça,  fica a Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados. A Igreja é bem simples, e foi construída na segunda metade do século XIX.

A igreja tem esse nome porque na praça aconteciam as execuções de forca, e reza a lenda que certa vez um soldado condenado a morte foi executado a pauladas depois que sua corda da forca se rompeu algumas vezes. A população instalou uma cruz para sua homenagem e orações,  ja que achavam que a corda ter se rompido era um sinal divino de sua inocência.

A igreja foi construída no local onde estava a cruz, e esta permanece em seu altar até hoje.

Praça João Mendes

Padaria Santa Tereza

No número 150 da Praça João Mendez, está a Padaria Santa Tereza, que é a mais antiga padaria do Brasil. Ela existe desde 1872. Do cardápio da época,  ainda é servida a canja e a coxa creme, e fora isso, tem um dos cardápios mais variados de São Paulo.

Padaria Santa Tereza
Padaria Santa Tereza

Sebo do Messias

Ao lado da padaria, fica o Sebo do Messias, um dos maiores e mais famosos sebos da cidade. Para quem gosta de livros e discos, vale a parada.

Paróquia Nossa Senhora da Assunção e São Paulo e a Paróquia Pessoal Nipo-Brasileira de São Gonçalo

E imediatamente ao lado, no número 108 da Praça,  está a Paróquia Nossa Senhora da Assunção e São Paulo e a Paróquia Pessoal Nipo-Brasileira de São Gonçalo.

A  construção é tombada e data do século XVIII.  Sua origem é ligada à Irmandade Nossa Senhora da Conceição e São Gonçalo,  que morreu pregando o evangelho no Japão em 1597.

Aos domingos de manhã existem missas que são rezadas em japonês,  em um horário específico.

Esse roteiro tem custo total de R$12,00 referentes à entrada do Museu Histórico da Imigração Japonesa. Mas separe mais alguns trocados para comidinhas e compras nas lojas de cosméticos kkkk

O tempo estimado para o passeio é de 2:30h a 3:00h, por isso você pode continuar o passeio seguindo para a Sé, e descobrir o Centro Histórico de São Paulo.

Thayz Figueiredo

Thayz Figueiredo

Professora de Educação Física e Psicóloga. Gosta das histórias dos lugares e das pessoas. Ama shows de rock, livros e um bom hambúrguer.

More Posts